Carta para Aurelio Porfiri sobre o Rebelde (que vai para o bosque)

Ir para o bosque não é uma fuga. Na verdade, é uma escolha masculina de resistência. Se a instituição não guarda mais a semente, alguém tem que fazer. Saber muito bem que tudo isso envolve risco e sacrifício.

por Aldo Maria Valli

Caro Aurelio,

tem razão em lembrar que devemos olhar para todos, consagrados e leigos, para o Oriente . Por muito tempo focamos nossa atenção no homem, esquecendo Deus ou colocando-o em segundo plano. O problema da liturgia pós-conciliar está todo aí: o homem no lugar de Deus, com a pretensão de igualar o espaço-tempo do sagrado ao do profano, sem distinção. Mas Deus não nos pede que façamos tudo igual: pelo contrário, Ele nos pede para distinguir, para separar (aliás, lembro-me de um de seus escritos significativos).

Entre os católicos fala-se frequentemente de discernimento, mas talvez tenhamos esquecido o verdadeiro significado deste termo. Quando dizemos que é importante discernir, geralmente queremos dizer que devemos adaptar a Palavra de Deus ao homem, para que seja menos dura e imperiosa. Em vez disso, discernir vem do latim cernere , que significa separar, distinguir, peneirar. Separar o quê? Literalmente, a palha da semente, as ervas daninhas do grão bom. E cern, por sua vez, vem do grego krinein , justamente para separar e, portanto, escolher, decidir (o que nos faz entender, entre outras coisas, que o momento de crise não significa necessariamente agravamento, mas é um momento de escolha, um ponto de viragem).

O antropocentrismo da matriz iluminista, penetrado na teologia, resultou na liturgia dando-nos uma missa que é mais assembléia do que sacrifício, mais encontro humano do que culto divino.

Mas gostaria de voltar, se me permitem, a Jünger e sua ideia de “ir para a floresta”, em torno da qual estou pensando.

Mencionei anteriormente a necessidade, perante uma Igreja que muitas vezes não guarda a boa semente e não presta um culto digno a Deus, de nos tornarmos, nós fiéis, um pouco “guerrilheiros”. Percebo que o conceito é profundamente alheio à nossa sensibilidade de filhos da Igreja, mas uso-o, de forma provocativa, para dizer que quando a Igreja, como instituição, escolhe desde os seus primeiros caminhos que, com todas as evidências, não se coadunam com a correta doutrina e nem mesmo com o simples bom senso, devemos de certa forma tornar-nos capazes de “ir para a floresta” como, de fato, o Rebelde.

Com a palavra “Rebelde”, o alemão Waldgänger foi traduzido em italiano, aquele que passa para a floresta, ou vai para o mato (a expressão remonta a um costume da Islândia antiga onde no início da Idade Média os bandidos, os bandidos e os rebeldes se reuniam em lugares remotos e lideravam uma liberdade, mas um tanto arriscada ) Pois bem, a minha guerrilha e a Rebelde de Jünger têm precisamente isto em comum: face a uma instituição que parece esquecer-se de si e da sua origem, que já não propõe o caminho da salvação da alma, mas persegue as ideias de mundo em vista de uma suposta saúde psicofísica, que não trata mais da vida após a morte (morte, julgamento, inferno, céu) mas fala principalmente do outro lado (ecologia, economia, desenvolvimento, solidariedade), que não oferece uma visão alternativa à secularizada, mas se achata no humanitarismo, e quando este desvio é tornado seu pela clara maioria dos clérigos e leigos, aquele que se preocupa com a alma muito mais do que o corpo e a vida interior muito mais do que a eficiência física, é de fato forçado a “ir para a floresta ” Significa desengajar-se, tornar-se voz do coro, proceder na solidão, não mais aderindo às grandes e vazias narrativas e planos institucionais, mas buscando a Verdade.

Atenção: ir para o bosque não é uma fuga. Na verdade, é uma escolha masculina de resistência. Se a instituição não guarda mais a semente, alguém tem que fazer. Saber muito bem que tudo isso envolve risco e sacrifício. Não só porque os confortos do centro habitado não estão no mato, mas porque a instituição consegue identificar o Rebelde, o guerrilheiro, e dificultar a vida dele.

Insisto: não é uma fuga. É uma forma de resistência extrema, implementada quando agora é claro que a instituição trilhou o caminho da traição e da apostasia.

Uma lei humana geral também se aplica aos católicos: é mais fácil, mais gratificante e reconfortante submeter-se a aparatos e narrativas compartilhadas, contando com seus planos e seus slogans, em vez de prosseguir sozinho ou com alguns amigos em busca da Verdade no mar dominado pela ambigüidade e mentiras. Mas agora é a hora de abandonar os aparelhos, sabendo que a salvação da alma não vem daí, que daí vêm as palavras adulteradas. Cabe a cada um decidir se fica no abrigo do aparelho, com o conseqüente conforto, ou se percorre o caminho da mata.

Freqüentemente, a passagem para a floresta segue a proibição e, portanto, é uma escolha obrigatória. Mas, mesmo assim, é uma escolha de liberdade. É resistência. É uma tentativa de não ser engolido. E é precisamente no bosque, às voltas com as necessidades primárias, que se cruza a linha: a vida surge pelo que é, sem adornos desnecessários, e finalmente se tem a oportunidade de se dedicar ao que interessa, a começar pela reflexão sobre a morte.

Até a Igreja, como instituição, pode se comportar como o Leviatã e ameaçar o rebelde que não joga o jogo. Mas esse é apenas mais um motivo para escolher a floresta.

Obviamente, espero não ser forçado, um dia, a “ir para o bosque” no sentido literal, mas a virada da história me empurra a me sentir cada vez mais no bosque, já agora e há algum tempo, em. um sentido cultural, político, espiritual e religioso.

Quando o papa produz um documento como Traditionis custodes , com o qual se enfurece contra a Santa Missa Apostólica Romana e, portanto, contra séculos de fé expressos através da liturgia, creio que é inevitável sentir-se na floresta. Comecei a me sentir assim depois de Amoris laetitia , e a floresta tem sido minha casa desde então. Jünger, no Tratado do Rebelde, escreve que o caminho da floresta é inevitável para quem não se deixa enganar. Eu estou experimentando isso.

Mas o mesmo pode ser dito no plano civil. Quando um estado introduz uma disposição como o Passe Verde, com a qual discrimina abertamente uma porção inteira de seus cidadãos, tornando-os de segunda classe e, ao fazê-lo, torna-se na prática um regime despótico (em meu Vírus e Leviatã Eu tratei dessa transformação de um sistema democrático liberal para um despotismo substancial em uma base sanitária e pseudocientífica), a via del bosco é obrigatória. Saímos de uma certa ordem cultural e política, de uma forma de pensar (ou melhor, de não pensar), de um certo tipo de narrativa, e entramos em outra dimensão. Que é uma minoria e um pouco underground, mas em que ainda é possível ser e se comportar como o apoti de Prezzolini. Apoti: ou quem não bebe.

Estar no mato, para mim, significa, por exemplo, evitar me informar pela televisão e jornais que normalmente são definidos como mainstream , mas que prefiro definir como dogmáticos, porque na verdade eles propagam os axiomas da Nova Ordem Mundial, exigindo que eles sejam aceitos e aceitos como verdades indiscutíveis e indiscutíveis.

Termino com uma citação do Tratado do Rebelde : “Muito suspeita, e portanto a ser considerada com extrema vigilância, é a crescente intervenção que, geralmente com pretextos filantrópicos, o Estado exerce sobre a organização da saúde”. Essas palavras foram escritas em 1951. Quando o intelectual faz seu trabalho, e não o mantenedor do tribunal, ele pode ser incrivelmente clarividente.

Fonte: sinaisdoreino.com

 

 

 

I miei ultimi libri